5 passos para sua empresa enfrentar a crise do Brasil

Confira as dicas do especialista André Miotto para enfrentar a crise do Brasil e evitar que seus negócios sejam desestabilizados pelo cenário econômico negativo.

O cenário econômico brasileiro não é animador. O Relatório de Mercado Focus, divulgado pelo Banco Central, prevê um recuo de 0,85% do Produto Interno Bruto em 2015. Caso o número se confirme, será a maior retração desde 1990. Além disso, inflação, câmbio e juros contribuem para que alguns setores da economia sofram mais que os outros, é o caso dos produtos ou serviços de luxo, negócios que dependam de crédito ao consumidor e o industrial.

O consultor de negócios e sócio-diretor da AMX Soluções de Gestão Integrada, André Miotto, explica que o conhecimento da área de atuação e da dinâmica interna da empresa é fundamental para enfrentar os momentos de crise e, até mesmo, favorecer a criação de novos negócios com potecial de crescimento. “Se o momento crítico é inevitável é necessário trazer a produtividade para o seu lado e minimizar as perdas, dessa forma é possível maximizar os ganhos e diminuir os impactos externos”, afirma.

Confira as dicas de André Miotto para enfrentar a crise do Brasil:

  1. Fomentar e encorajar a transparência. Mais difícil que passar por um momento econômico crítico é passar por isso sem saber o dia de amanhã e com quem pode contar. Procure não deixar os membros da sua empresa em um clima de tensão, este processo irá afetar, e muito, o ambiente e a produtividade na empresa e com certeza resultar em queda emocional e financeira. Fazer todas as mudanças necessárias baseadas em indicadores produtivos e financeiros, nunca emocionais, e compartilhar com os profissionais as ações, bem como as análises que motivaram as necessidades e manter sempre a transparência faz com que os membros do seu time se sintam valorizados e respeitados.
  2. Promover ações e esforços internos contra o desperdício. Gerar na equipe corporativa uma consciência sobre a utilização consciente e racional de todos os recursos da organização é um ato que deve estar em pauta sempre no dia a dia empresarial. Apenas imaginando os gastos com impressões, água, luz e telefonia podem parecer não ter muita relevância, mas se forem analisados no final do mês, junto com outros custos se tornam muito representativos. Desenvolver e compartilhar metas de redução e economia a serem alcançadas em conjunto com o time funcionará bem.
  3. Quebrar paradigmas. É preciso pensar se não é a hora de começar a abrir novas frentes e buscar novos horizontes. Tudo vai depender do segmento e ramo de atuação e da expertise da organização. A chave é se lembrar que é em momentos críticos e tensos que as empresas, empresários e times de sucesso costumam gerar inovações e ganhar mercado e receita.
  4. Atentar-se ao mercado. Identifique as empresas que possam se interessar pelos seus produtos e que sustentaram bons resultados econômicos e comerciais ou até cresceram para prospectá-las.
  5. Preservar o fluxo de caixa e identificar inadimplentes. Conhecer bem seu consumidor e o público-alvo é a melhor forma de reduzir de forma impactante a inadimplência na sua empresa. Iniciar enquadrando e definindo uma classificação, níveis de serviço e limites para cada um dos seus clientes, além de classifica-los por níveis e estilos é essencial. Tendo feito esta adequação é preciso buscar no sistema, seja ele ERP ou planilhas de Excel, as relações comerciais e financeiras históricas (compras e pagamentos) e informações de mercado com seus vendedores, gerentes e profissionais administrativos. Desta forma as relações históricas darão bases sólidas que apontarão alterações em comportamentos e novos padrões de consumo e pagamentos.
SEGS – Portal Nacional de Seguros